Entrevista com Gian / Tarja Editorial

Deixe um comentário

Editora Tarja Editorial

Sábado, meu último dia em São Paulo, fui no Science’n’Fiction – depois postarei a respeito. Lá havia uma sala com stands das editoras Draco e Tarja Editorial. Eu já sabia que meu antigo colega e roteirista de quadrinhos Gian era um dos donos da Tarja Editorial, mas não esperava encontrá-lo por lá. Foi uma surpresa legal, porque não nos falávamos desde… desde… sei lá, 2000, eu acho.

Conversamos um pouco, meio naquelas… porque, né? Fazia tempo. Mas no final do evento trocamos umas boas idéias e o Gian, como sempre falando pelos cotovelos, concordou em gravar uma entrevista.

Ajudei ele a carregar o estoque e fomos até uma lanchonete, onde ele almoçou um cachorro quente às 7 da noite enquanto me contava anedotas sobre o mercado editorial e depois gravamos a entrevista.

Falamos sobre mercado editorial, novos autores nacionais, leitores, formação autoral, jornada do herói / Joseph Campbell, dicas para escrever e a função do editor. Vale muito a pena para quem lida com HQs também, pois a maioria das dicas serve para qualquer área artística.

Depois da entrevista, ainda ganhei três livros com dedicatória xDDD
Depois posto o release aqui no blog.

A Tarja Editorial é uma editora que atua há 3 anos no mercado e tem lançado livros de literatura fantástica (fantasia, terror, ficção científica, cyberpunk, steampunk, etc), sendo alguns deles romances e outros antologias de contos. Entre suas publicações estão a coleção Paradigmas, a antologia Steampunk – Histórias de um Passado Extreordinário e o romance Cyber Brasiliana.

É uma ótima oportunidade para autores iniciantes tentarem uma publicação. E recomendo enfaticamente os roteiristas de HQs começarem a escrever contos e tentar a sorte. Mas caprichem, nada de entupir a caixa de email da editora com porcarias mal-escritas.

Ouça a entrevista com Gian, da Tarja editorial clicando aqui.

Palestra – A Arte de Contar Histórias

12 comentários

Esses videos foram gravados na minha palestra do Anime Family, no dia 04/07, na sala do Zine Expo. O tema foi “A Arte de Contar Histórias”.

As palestras foram bacanas e a receptividade do público superou minhas expectativas. O pessoal participou e até os que não quer em escrever histórias se interessaram no assunto.

Nesse dia, falei sobre a importancia dos mitos e histórias para a humanidade desde os seus primórdios, a função artística dos contadores de história e um brevíssimo resumo da Jornada do Herói, apresentando seu conceito para a vida usando exemplos de aplicação em animes.

Assiste aí. Sou estranho, falo mal e minhas mãos parecem possessas de tanto que gesticulo… mas é bacana. Vocês vão gostar. Senão eu devolvo o tempo perdido xD

Se gostar, não esqueça de clicar em “gostei”. Se inscreva no canal, pois aparecerá coisas novas lá. Indique, divulgue, espalhe. Obrigado.

Documentário com Joseph Campbell – O Poder do Mito

13 comentários

Joseph Campbell

Joseph Campbell é um dos nomes mais importantes para pesquisadores e autores de histórias ao lado de Robert McKee. Pesquisador de mitologia e religião comparativa, desenvolveu um extenso trabalho que esclareceu e inspirou milhares de escritores em todo o mundo e influenciou profundamente obras como Star Wars e artistas como Francis Ford Coppola e Steven Spielberg. O livro O Herói de Mil Faces é referência obrigatória para qualquer roteirista, escritor ou diretor.

Campbell desenvolveu a Jornada do Herói, na qual afirma que todo mito, todas as parábolas e histórias em toda cultura giram em torno de um ciclo dividido em determinadas etapas. Ou seja, as mesmas histórias são contadas de outras maneiras para que as pessoas não percam a sua “humanidade”. Campbell também aborda as histórias no aspecto psicológico e simbólico.

Neste documentário, gravado no rancho Skywalker, de George Lucas, Campbell fala sobre o Mito do Herói, sobre o que é heroísmo, sobre sociedade, psicologia, espiritualidade e muitos outros temas fascinantes.

A importancia do que Campbell diz é notada quando, diante seus ensinamentos, perguntamos a nós mesmos: por que estou escrevendo essa história? O que faz ela valer a pena ser escrita e lida? O que faz dela especial? O que ela tem para a humanidade?

E apenas encontramos respostas para essas perguntas quando olhamos para nós mesmos e descobrimos nosso papel nesse mundo como artistas. E para isso, precisamos encontrar nosso lugar na própria humanidade.

Isso tudo pode parecer abstrato demais ou importante de menos. Mas não importa. Importa você ouvir Joseph Campbell.

Título Original: Joseph Campbell and the Power of Myth
Idioma: Legendado (PT-BR)

Dividido em 7 partes:

A Mensagem do Mito
A Saga do Herói
Os Primeiros Contadores de Histórias
Sacrifício e Felicidade
O Amor e a Deusa
Mascara da Eternidade
Entrevista com George Lucas

Baixe e assista: http://joseph-campbell.4shared.com

***Algumas pessoas estão com problemas com os arquivos do 4shared. Em breve colocarei em outro servidor***

Quadrinhos – Algo a Dizer

4 comentários

Bakuman

Antes de abrir o seu editor de texto para escrever uma história, antes de sair criando personagens e inventando nomes de golpes poderosos, é preciso ter algo a dizer. Você precisa de algo que saia de dentro de você e vá pra dentro do leitor (sem sentido ambíguo). Algo que conecte vocês.

Ok, pra não ficar muito esotérico, você precisa ter uma mensagem para o mundo. Não uma lição de moral, como os desenhos americanos antigos. Você não precisa, nem deveria dizer “isso é certo, isso é errado”. Mas pode mostrar aquilo que você aprendeu na sua vivência a respeito da vida, do mundo, da sociedade em que vive – em que vive, não a do outro lado do mundo, se é que me entende.  O porque você acha que está nesse mundo.

Segundo Joseph Campbell, autor do Mito do Herói, toda História, todo mito, possui um herói que realiza uma série de proezas, sejam físicas ou espirituais, encontrando respostas que a humanidade está sempre buscando. Quem somos, de onde viemos, para que viemos, para onde vamos? Os mitos, mesmo de forma inconsciente, procuram responder isso. Não de modo arrogante ou religioso, dizendo “eu sei, leia isto, aqui está a resposta”.  Mas apresentar uma VISÃO, a sua interpretação da vida, como você vê o mundo. É basicamente o leitor pegar os seus olhos e enxergar a vida com eles.

Claro que pra isso, é preciso viver. O que é viver? Isso você tem que descobrir. Seja você mesmo, se liberte das amarras que te prendem a um conceito ou preceito limitador, quebre o muro, descubra novos horizontes, seja honesto e sincero consigo mesmo e com os outros.

Aceite a aventura da vida.

Não se esconda, não fuja, encare a si mesmo.

Querendo ou não, é verdade. Histórias não são apenas entretenimento. São o reflexo das necessidades de uma sociedade. Mesmo as histórias de hoje em dia. E os autores atuais, apesar de todo o capitalismo e espetáculo, principalmente no cinema, sabem disso. Por trás de todo entretenimento barato, há essa noção que é a base das escolas de arte, seja qual for a mídia. Como Campbell diz, os mitos existem pra nos fazer pensar, entender verdades que só podem ser expressadas simbolicamente. Ou, como diz o grande professor de roteiro Robert McKee, as histórias são uma metáfora para a vida.

Só tendo algo a dizer, algo que vá de encontro à necessidade humana, uma história pode verdadeiramente encantar e cativar multidões.

%d bloggers like this: